Blog

IoT muito além da automação

O conceito de Internet of Things (IoT) vem se popularizando e ganhando espaço na inovação (e na mídia) brasileira.
CSEM Brasil
Postado em 30 de outubro de 2017 - Atualizado em 9 de julho de 2019

O conceito de Internet of Things (IoT) vem se popularizando e ganhando espaço na inovação (e na mídia) brasileira. No entanto, sua própria definição ainda não está clara para grandes empresas e órgãos do ramo. É o que percebe-se no Snapshot 2017, estudo realizado pela Logicalis em julho e agosto deste ano, enquanto retrato da adoção e do potencial da Internet das Coisas no mercado brasileiro.

Desde o ano passado, o Snapshot identificou uma tendência a se relacionar a internet das coisas a aplicações para automação, aumento de eficiência e redução de custos operacionais. As pessoas entendem a tecnologia como iniciativas, dispositivos e sensores que, via internet, gerem dados a serem consumidos para gerar melhorias nos processos e nos negócios. Porém, isso poderia simplesmente descrever uma solução de automação. O potencial da IoT está justamente na ação além dessa coleta de dados.

Como aponta o especialista em desenvolvimento de negócios em IoT, Fernando Nogueira Cesar, em artigo no Linkedin: “se IoT é ‘dar às coisas uma voz digital’, qual seria a vantagem disso, se ninguém está realmente escutando o que as coisas estão dizendo?”. Segundo o executivo da Dell, é necessário transformar esses dados “brutos” em informações relevantes e valiosas.

“Para se tornar relevante a longo prazo, a IoT precisa gerar economia através da melhoria de processos, da prevenção de perdas ou acidentes, ou ser capaz de criar novos fluxos de receita e novos modelos de negócios. Além da aquisição e transporte de dados, a análise é a chave para trazer tudo isso à vida. Em outras palavras, a IoT sem Analytics não é IOT, é apenas um nome extravagante para Telemetria…”

Ou seja, o real avanço da IoT está na profundidade de análise e tratamento desses dados, que permitem aos dispositivos agirem em conexão com diversos ambientes, tomando decisões e indo muito além de uma mera automação.

É isso o que expande o potencial econômico e tecnológico da IoT: utilizando sensores, tirando informações e tendo contato com outros agentes pela internet, alinhada a softwares poderosos, agir sobre dados vindos de diferentes fontes. Daí também sua integração a conceitos de machine learning, deep learning, IA, etc – que ampliam ainda mais suas possibilidades.

“Um estudo do McKinsey Global Institute estima que o impacto de IoT na economia global será de 4% a 11% do produto interno bruto do planeta em 2025 (portanto, entre 3,9 e 11,1 trilhões de dólares). Até 40% desse potencial deve ser capturado por economias emergentes. No caso específico do Brasil, a estimativa é de 50 a 200 bilhões de dólares de impacto econômico anual em 2025”, postula o relatório do estudo “Internet das Coisas: um plano de ação para o Brasil”, feito pelo BNDES e pelo MCTI em 2017.

Algumas áreas de foco em que o Brasil pode agir, apontadas pelo Plano de Ação desse estudo do BNDES, são as seguintes:

  • Smart Cities: Melhorias em mobilidade, segurança pública, eficiência energética e saneamento.
  • Setor Rural: Uso eficiente de maquinário, segurança sanitária e uso eficiente de recursos naturais e insumos.
  • Setor de Saúde: Tratamento de doenças crônicas, eficiência de gestão, promoção e prevenção.
  • Indústria: Para estoque, bens de capital e recursos e processos.

Fique ligado em nosso blog para mais informações sobre o tema, que vamos abordar nas próximas semanas! Veja também o gráfico da Raconteur, traduzido pelo O Futuro das Coisas, com 99 oportunidades em IoT, classificadas entre frio, morno, quente, muito quente e super quente:

 

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui e cadastre seu e-mail para mais notícias e tendências em tecnologia, sustentabilidade e negócios.

Posts Relacionados

CSEM Brasil marca presença no LOPEC 2019 na Alemanha

CSEM Brasil
22 de fevereiro de 2019
leia agora

Durante competição em Munique, Brasil desponta como pioneiro na produção de energia solar

CSEM Brasil
28 de março de 2017
leia agora